Livraria Católica

25/07/2019

A importância de Maria Madalena na vida de Jesus Cristo

No Missal Romano do Vetusordo lê-se: « é considerado pela Igreja o penitente transformado pelo arrependimento e pelo amor de Cristo. [...] A liturgia identifica Maria Madalena com Maria, irmã de Marta e Lázaro, que obteve de Jesus a ressurreição de seu irmão, antes sepultado por quatro dias ".

Uma literatura multifacetada foi construída em sua figura: a da tradição, dividida entre as teses dos Padres latinos e as do Oriente; a dos esoteristas, que na era contemporânea tem o protagonista mais conhecido de Dan Brown com o best-seller O Código Da Vinci que tem pretendido enlamear e profanar o nome Santíssimo de Cristo e de Santa Maria Madalena; a dos exegetas de nosso tempo que não levam em consideração os contos de tradição de Madalena a respeito de sua figura e seu culto, baseados apenas em suas hipóteses subjetivas.

O nome de Madalena provavelmente deriva da aldeia de Magdala, hoje Maǵdal, na margem ocidental do lago Genesaré. Nos Evangelhos, ela é uma das mulheres piedosas que seguiam Jesus: muitos padres latinos, incluindo Santo Agostinho, São Leão Magno e São Gregório Magno, identificam essa Maria com Maria de Betânia, que era irmã de São Lázaro e santa Marta e também com o pecador anônimo lembrado em Lucas (7, 36-50); os Padres Gregos, em vez disso, já com Orígenes, distinguem principalmente as três mulheres uma da outra. A questão foi muito debatida, especialmente no século XVI em território francês, devido às relíquias do santo, que, segundo uma tradição muito enraizada na França e datada do século XI, teria chegado à Provença junto com os irmãos Lazzaro e Marta.

É muito interessante notar que no capítulo 7 do Evangelho de Lucas falamos de um penitente sem identidade, mas que os padres latinos levaram de volta à Madalena: a cena se passa na casa de um fariseu, não se sabe qual cidade, que convidou Jesus a tomar refeição com ele.

« E aqui uma mulher pecadora daquela cidade, sabendo que estava na casa do fariseu, veio com um pote de azeite perfumado; e parando atrás ele se encolheu chorando a seus pés e começou a molhá-los com lágrimas, depois secou-os com os cabelos, beijou-os e borrifou-os com óleo perfumado."(8,37-38).

Jesus lê os pensamentos doentios do fariseu, que se pergunta como ele pode permitir que "um profeta" seja tocado por um pecador. E o Mestre o faz raciocinar, a ponto de colocar os serviços prestados pela mulher em relação a ele antes do mérito em relação à hospitalidade recebida do senhorio, a ponto de declarar a sentença:

" seus muitos pecados são perdoados, desde que ela amou muito. Ao invés disso, aquele a quem alguém perdoa pouco, ama pouco "

Assim, diante do fariseu e de todos os convidados presentes, a mulher é perdoada de todos os seus pecados porque:" A sua fé salvou você: vá em paz! »( Lc 8, 47-50).

Imediatamente após este último verso, o evangelista escreve:

«Mais tarde ele foi para as cidades e vilas, pregando e anunciando as boas novas do reino de Deus, onde estavam os Doze e algumas mulheres que tinham sido curadas de maus espíritos e enfermidades: Maria de Magdala, de quem saíram sete demônios, Giovanna, esposa de Cusa, administradora de Herodes, Susana e muitos outros, que os ajudaram com seus bens "( Lc 8, 1-3). Aqui está a hipótese de que o penitente na casa do fariseu é a própria Maria Madalena, de quem, como São Lucas testifica, sete demônios saíram, mas isso não significa, como alguns estudiosos afirmam, que ela estava possuída, mas que era um grande pecador.

É certo, portanto, que a Madalena, desde que ela foi libertada dos pecados, começou a seguir Jesus Cristo, para ajudá-lo com seus discípulos, a viver, portanto, junto com os apóstolos e as mulheres que os seguiam. Portanto, Maria Madalena, desde o momento em que se converteu ao Calvário e ao santo sepulcro, ouviu todos os ensinamentos, parábolas, exortações, admoestações do Filho de Deus e viu todos os milagres e maravilhas realizados por ele, até que se viu como a primeiro testemunho da ressurreição de Cristo, bem como o primeiro mensageiro do evento divino, tornando-se o "apóstolo dos apóstolos".

A identificação de Maria Madalena com Maria de Betânia ou com o pecador arrependido foi re-discutida pela Igreja em 1969, após o Concílio Vaticano II, através de uma leitura exegética moderna e historicista, separada da tradição. Também deve ser lembrado que no Novus Ordo ele tinha o grau de memória até 3 de junho de 2016, quando o Papa Francisco elevou-o ao grau de celebração.

Além disso, não se pode esquecer que a figura da pecadora Madalena foi inserida ao lado da do Bom Ladrão na seqüência da Diesirae (usada na tradicional liturgia católica dos mortos): " Qui Mariam absolvisti / et latronem exaudist / mihi quoque spem dedisti " . Após a reforma litúrgica, retocou-se o texto da seqüência, eliminando o nome de Maria; mas ainda é recitado de acordo com a tradicional lição da celebração do VetusOrdo. Não podemos sequer considerar todos os fundadores e fundadoras sagradas que deram origem a institutos religiosos em nome de Maria Madalena e que cuidaram de mulheres de rua, como fez a venerável Juliette Colbert de Barolo (1786-1864), que fundou o Instituto das Irmãs Penitentes de Santa Maria Madalena (agora Filhas de Jesus Bom Pastor) com o objetivo de expiar do pecado e educar os adolescentes já iniciados no vício (chamado Maddalenine): muitas jovens redimidas e treinadas para serem cristãs honestas e os cidadãos, eles escolheram se tornar freiras encarregadas da educação das magdaleninas. A identificação entre as três pessoas, ou Madalena-Maria de Betânia, a pecadora penitente, também apoiada pelas visões da Beata Anna Katharina Emmerick (1774-1824), é rejeitado tanto pelo cardeal bíblico Gianfranco Ravasi quanto pelos protestantes e ortodoxos. Mas a devoção popular resiste, tanto que, mesmo falando em termos cinematográficos, a sobreposição da Madalena com uma prostituta é destacada por Mel Gibson com seu trabalho.A paixão de Cristo(2004). Na arte, a figura do santo aparece muito tarde e, com raras exceções, pode-se dizer que o culto de suas imagens começou apenas no século XII, após a descoberta de suas relíquias. Em imagens devocionais ela é representada ou como padroeira - de prostitutas, penitentes, perfumistas e cabeleireiros arrependidos (os últimos sinais, que remontam à identificação da Madalena com o penitente da casa do fariseu) - ou como penitente, enquanto em assuntos históricos está presente nas cenas dos Evangelhos ou nas do desembarque com o barco na França. Seu atributo iconográfico é o pote dos ungüentos, o vestido tende a ser vermelho para simbolizar seu amor sobrenatural pelo Senhor Jesus, com cabelos muito compridos, que às vezes cobrem todo o corpo.

Entre os gregos, no final do século IV, celebrava-se o "domingo de mirofore" (portadores de perfumes para o corpo de Cristo), quinze dias depois da Páscoa. Dos sinasars bizantinos parece que uma festa de Maria Madalena foi celebrada em 22 de julho. Os lugares mais famosos para a adoração de Madalena eram Éfeso e Constantinopla. No Ocidente, é necessário esperar até o século VIII para ver a venerável festa de Maria Madalena no dia 22 de julho aparecer no martirológio de Beda, em relação ao costume em vigor em Éfeso. No final do século IX, depois que o monge Badilone trouxe algumas relíquias do santo da Judéia, nasceu um culto por volta de 880-884, que se desenvolveu em Vézelay, no século 11, para atingir seu auge no século XII. Goffredo, abade de Vézelay de 1037 a 1052, reformou a abadia, que foi colocado sob a proteção de Santa Maria Madalena. O Papa Leão IX, em 1050, aprovou este patrocínio e Estevão IX em 1058 deu o seu consentimento para a veneração das relíquias do santo. Durante dois séculos, Vérzelay verá multidões de peregrinos se reunindo, milagres se multiplicarão e uma abundante literatura florescerá. Mas a devoção neste local vai parar quando, em 9 de dezembro de 1279, o príncipe Charles de Salerno, filho de Carlos I de Anjou, rei de Nápoles e Sicília, abriu sarcófagos antigos na cripta de Saint-Maximin. , onde restos de Santa Maria Madalena foram encontrados. milagres se multiplicarão e abundante literatura florescerá. Mas a devoção neste local vai parar quando, em 9 de dezembro de 1279, o príncipe Charles de Salerno, filho de Carlos I de Anjou, rei de Nápoles e Sicília, abriu sarcófagos antigos na cripta de Saint-Maximin. , onde restos de Santa Maria Madalena foram encontrados. milagres se multiplicarão e abundante literatura florescerá. Mas a devoção neste local vai parar quando, em 9 de dezembro de 1279, o príncipe Charles de Salerno, filho de Carlos I de Anjou, rei de Nápoles e Sicília, abriu sarcófagos antigos na cripta de Saint-Maximin. , onde restos de Santa Maria Madalena foram encontrados.

A propagação do culto para a Madalena foi realizada pela Ordem dos Frades Pregadores, tanto que os dominicanos a consideram uma de suas padroeiras. Uma tradição relatada na lenda douradado frade dominicano e bispo de Gênova, o bendito Jacopo da Varazze (1228-1298), conta que a Madalena, com os irmãos Lazzaro (que se tornou o primeiro bispo de Marselha e seu corpo é venerado na catedral desta cidade) e Marta e com outros discípulos de Jesus, ou Maximino (primeiro Bispo de Aix-en-Provence) e o cego nascido de Jesus (cujo crânio está acima do altar do corredor esquerdo da Basílica de Saint-Maximin-la) -Sainte-Baum), partiu da Palestina por volta do ano 45 para chegar com um barco em Saintes-Maries-de-la-Mer, depois de uma jornada perigosa e turbulenta. A este respeito, há também uma outra versão, também atestada por um afresco de Giotto na capela da Madalena da basílica inferior de São Francisco de Assis, que indica como o desembarque ocorreu em Marselha.

O culto da Madalena se espalhou por toda a Europa e de maneira capilar na Provença com a construção de muitas igrejas em sua homenagem: a mais conhecida é precisamente a gótica Saint-Maximin-la-Sainte-Baume (1295), onde é preservada que tradição diz ser o crânio do santo. De acordo com uma crônica de 1173, teria sido precisamente em Sainte-Baume que Madalena conduziu sua vida penitente por trinta anos. Sainte Baume no antigo provençal significa "gruta santa", de fato, em Plan-d'Aups-Sainte-Baume, sob o pico mais alto do maciço montanhoso, há uma caverna onde se diz que o santo passou aqui, onde uma igreja foi construída, que abriga uma relíquia da Madalena, uma fonte de água, bem como um convento dominicano.

" Na cruz de Jesus, sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas e Maria Madalena ", escreve São João (19,25) e era a Madalena, no primeiro dia da semana, junto com Salomé e Maria, a mãe. de Tiago, o Menos ( Mt 28, 1 e Mc 16: 1-2) para ir ao Santo Sepulcro para perfumar e ungir o corpo de Jesus com os ungüentos. « Maria de Magdala foi ao sepulcro de manhã cedo, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra fora derrubada pelo sepulcro. Então ele correu e foi até Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e disse-lhes: "Eles tiraram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde o colocaram! »( Jn20, 1-2). Então Pedro e João foram ao sepulcro e não encontraram o corpo de Jesus. Neste ponto São João escreve aquela página tocante que descreve o encontro místico entre Maria Madalena e seu Jesus: «Maria, em vez disso, ficou do lado de fora perto do túmulo e chorou. Enquanto ele chorava, inclinou-se para o sepulcro e viu dois anjos de vestes brancas, sentados um ao lado da cabeça e outro dos pés, onde o corpo de Jesus havia sido colocado, e disseram-lhe: "Mulher, por que você está chorando? ?". Ele respondeu-lhes: "Eles levaram o meu Senhor e eu não sei de onde veio o ano." Tendo dito isso, ele se virou e viu Jesus ali; mas ele não sabia que era Jesus, Jesus disse a ela: "Mulher, por que você está chorando? Quem você está procurando? Ela, pensando que ele era o guardião do jardim, disse-lhe: "Senhor, se você levou-o embora, diga-me onde você o colocou e eu vou buscá-lo." Jesus disse a ela : "Maria!" Então ela se virou para ele e lhe disse em hebraico "Rabino" ( Jo 20 : 11-16).

Em nossas igrejas quase nunca ouvimos falar de Santa Maria Madalena, os pastores esqueceram o penitente favorito de Cristo e a razão é simples de entender: ela, com sua fé e seu amor perfeito por Cristo, o sobrenatural (místico) , representa a vitória sobre os pecados, aqueles pecados que hoje são ignorados ou subvalorizados ou mesmo indignados, não mais considerados os verdadeiros e únicos perpetradores que afastam as almas do amor trinitário. (Cristina Siccardi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This is Atomic

All the pages you see here are built with the sections & elements included with Atomic. Import any page or this entire site to your own Oxygen installation in one click.
GET OXYGEN
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram